UM PORTUGUES EM VANCOUVER

Chamo me Tiago Ribeiro, e desde a 9 anos que imigrei para o Canada, mais precisamente, para uma das mais belas cidades do mundo de seu nome VANCOUVER.Aqui irei mostrar e reflectir, sobre esta bela cidade, Cultura e Culturas, a experiencia da imigracao, reflexoes pessoais e sobre Portugal e Canada, entre outros temas e questoes desta VIDA de Imigrante e do MUNDO que me rodeia.. ....VIVE SE ESCREVENDO E ESCREVE SE PARA VIVER...

Friday, April 28, 2006

A (des)aventura do Ingles

Aprender ingles e sempre um desafio, muito mais num pais em que poucos parecem interesados em aprende-lo. Mas esta aprendisagem tem muito que se lhe diga, desde o que se aprende nos Liceus e Ciclos ate ao uzo pratico dessa mesma lingua, muito ha para ser feito, e dito nesta area.
E curioso ver o desinterese que existe em relacao a esta lingua em Portugal, basta contar por cada turma que, sao os bons alunos e os interesados. Tambem os sistema educativo nao e muito dado a estimular os alunos para a aprenderem, fazendo com que muitos sintam que ir as aulas de ingles seja uma autentica tortura.
No meu tempo, a unica coisa que suvisava este sofrimento era o facto de a beleza da minha professora e a sua simpatia que faziam com que esta lingua fosse mais facil de engolir e degerir. Com o tempo tambem dava para ver quem gostava de aprender ou estava ali para sofrer.

Tambem e preciso que se pergunte, porque raio e nessecario aprender uma lingua que vai ser de pouco uso? e que vendo bem, quantos alunos irao para a universidade onde presizaram desta lingua? muito poucos, sem duvida...no entanto o sistema nao se adapta a realidade. E ha tambem outro factor, o modo de ensinar ingles ou outra lingua, que e feito uzando duas tecnicas totalmente dispares. Uma tecnica e a de ensinar ingles, e a de como se os alunos fossem viver para inglaterra para sempre, fala-se ingles, faz se muitos exercios que serao esquecidos quanto da o toque da saida. Outra tecnica e a de dar ingles como nada fosse, le-se, ve-se filmes, fazem-se alguns exercisios. O que costuma acontecer, e que a maioria faz o 12 ano e nunca mais uza o ingles..

Mas depois existem aqueles que emigram, como eu, e veem que aquilos que lhe ensinaram precisa de mais pratica e exercisio do que me foi dado pelos meus professores. Eles ensinaram, nao nego, mas apercebo me que muito ficou por aprender. mesmo o meu pai que tem tantos anos de ingles quanto eu tenho de idade, 26, afirma precisar de aprender ingles. O ingles e uma lingua fascinante complexa e multi-facetada, para o bem e para o mal. Mas depois de ja estar a aprender esta lingua a quase 3 anos eu sinto que eu ja nao aprendo ingles, eu luto com ele, pois quando escrevo cada erro conta para a minha avaliacao.
Dexem me dar um exemplo..no curso onde estou tenho que escrever de 350 a 420 palavras e so me e permitido fazer 6% de erros, e surpriendente, mas quando for para o 12 ano, so me sera permitido fazer 4% de erros. E nao nego que alcancar isto seja facil, longe disso, de facto so com boas bases de gramatica podem ser alcancadas, e mesmo assim nao e facil. Uma nota, aqui o ensino do ingles e feito em trimestres, ou seja, obedecendo a logica, cada tres meses avancamos, fazendo com se va por exemplo do 10 ano ao 12 em 6 meses, se tudo correr bem.

O que me e eixigido onde estou nao e para aprender ingles, nao, o que eles querem e que eu assemile o ingles, que o fassa parte do meu incosnciente, sem exageros, eles querem que eu fale como um canadiano. E depois disto tudo reparo e vejo onde quem me ensinou falhou. Pois o que nao me ensinaram foi a nivel de aprendisage, o ingles, nao de assimilacao..e claro, quem aprende pode sempre desaprender, e e o que muitas vezes acontece no ensino de uma lingua em Portugal..

Saturday, April 22, 2006

25 ABRIL ONTEM, HOJE, SEMPRE

O 25 Abril foi uma das mais importantes revolucoes em Portugal, e embora nao tenha nascido no ano da revolucao, 1974, creio que foi uma "suave" e amena revolucao, por outras palavras, uma revolucao a portuguesa. Com ela muito se libertou e se comecou...mas depois dela, muito ainda falta libertar nas mentes, a nivel social, em Portugal.

Anos passaram, ja nao ha ditadura...mas ja vem da ditadura e do que lhe antecedeu o Portugal que hoje temos..Para saber o Portugal que Existe hoje em dia, nao e preciso eu dizer como e ou deixa de ser, "pois posso mostrar a minha idiologia politica", alguns dirao, por isso sugiro que se leiam as noticias (http://dn.sapo.pt/) e elas falaram por si.

O descontetamento que as noticias repetem ate a cacofonia nao e imaginario, nao, ele e bem Real, so que acontece que, quem Deve nao Ve, e arrogantemente Ignora, e quem Sofre nao se Ouve, e nem tem Poder que merece. A ditadura terminou, mas nao a Revolucao, ela ainda nao se completou...a Revolucao de Abril "ferveu" pouco e nada "explodiu", pois se ha caracteristica das Revolucoes que a Historia nos ensinou, e que a sua efeverescencia corta muitas cabecas, e dai nasce a mudanca e a transformacao.. e elas nao rolaram todas em Portugal.
De facto muitas cabecas "cruadas", que pouca participacao tiveram na Revolucao, apenas ganharam poder politico e economico, e hoje la estao acomodadas. E preciso outro 25 Abril, mais intenco, mais ferveroso, mas que desta vez se Revolucionem as coisas que foram deixadas por fazer no primeiro 25 de Abril, e desta vez que seja o Povo, Povo nao o "Povo" burgues ou elite, que hoje dominam a economia portugesa, a fazer uma pseudo-revolucao...So que se continua sempre de bracos cruzados, sempre, como se avanca assim Portugal? Que o Povo se Levante, que alguem se Levante, e fassa uma, nessecaria e urgente, Revolucao....


25 ABRIL ONTEM, HOJE, SEMPRE

*******

*******

Wednesday, April 19, 2006

...A Anedota (a) Portuguesa..

""An American said:

"We have George Bush, Stevie Wonder, Bob Hope, and Johnny Cash"


And the Portuguese replied:

"We have Jose Socrates, no wonder, no hope, and no cash." ""

Monday, April 17, 2006

A Vila Branca no coracao Alentejano


Um dia tinha de falar da bela Vila Alva, pois embora nao tenha crescido la, cercado pelos seus montes e pelos seus simples habitantes, grande parte do que sou, tanto indirectamente como directamente, por parte dos meus pais, me influenciaram tanto a nivel intelectual como pessoal.
Para explicar que vila e esta, terei de usar um pouco de nostalgia, porque acredito que um recuo na memoria, de certo ajudara a perceber muitos porque's . Vila Alva, foi durante varias decadas atras berco dos meus pais, que nesta pequena vila foram educados entre as morais religiosas e o respeito pelo campo e pelos mais velhos....imagem esta tao semelhante em outras vilas alentejanas.


Os dias eram todos cheios dos mesmos sofrimentos, contam-me os meus pais, em que o trabalho duro no campo era a unica coisa que dava algum pao, mesmo se na houvesse mais nada, o pao era sempre garantido. E nos dias santos la haviam, e ainda ha, uns bailaricos e assim, entre cochichos de venhinhas e o "animalesco" trabalho do campo, os meus pais cresceram.


Ir a Vila Alva e um prazer em si mesmo, porque reve-se sempre familiares...As ruas de Vila Alva sao calmas e mesmo quando se ouve um carro, o silencio volta a tomar o seu lugar. E sem duvida uma pequena aldeia onde a calma reina, e talvez seja por haver tanta calma em Vila Alva que qualquer pequeno incidente, bom ou mau, e sempre uma boa razao para se discutir. Mas nada como um bom jogo da bola, pois e nestas ocasioes que Vila Alva para....mais ainda, digo. Todas as casas, sao de um branco angelical sempre com uma barra de alguma cor.

Esteja um frio um de rachar ou um calor de 40 graus a sombra, rever Vila Alva e sempre uma porta aberta para o Alentejo "esquecido" ou nostalgico. Nao ha dia da semana, em que os homens nao se reunem, e companhados de um copo de vinho, e cantem umas modas alentejanas que tao bem falam do Espirito Alentejano e do que e ser agricultor...


Vila Alva e uma vila orguhosa das suas tradicoes, que procura preservar, mesmo quando os tempos religiosos nao estao de feicao. Esta encantadora vila, e tao pequena que em 15 minutos se pode percorrer e seja la onde estejamos na aldeia, sempre se pode ver a torre de relogio, que segundo creio, dava as horas aos trabalhadores no campo nos montes em redor de Vila Alva. Vila Alva e tambem uma aldeia com tres principais igrejas mas so uma faz parte da rota dos frescos, desculpem nao poder vos dizer que igreja e essa, mas uma visita as tres igrejas sera algo que nao deixara de ser agradavel e enriquecedor.



Eu podia sugerir visita as igrejas, so que na minha opiniao o encanto de Vila Alva nao reside em monumentos, que depois de umas fotografias ficam "para mais tarde recordar", nao, o encanto de Vila Alva nao esta ai. A beleza e o encanto de Vila Alva, reside sim nos seus habitantes que estao sempre abertos a quem quer conhecer melhor a sua vida e suas "aventuras e desventuras". Basta perguntar oas "velhotes" que passam dias a fio na praca da vila, eles tem muito para contar vos garanto... Existe tambem em Vila Alva uma vontade de progresso do espirito da cidade, que as geracoes actuais tanto trazem para Vila Alva, so que tudo evolui, nao nego, evolui sim.... mas muito lentamente. E isto do lentamente, nao pretende ser uma piada facil ao Alentejo, mas antes destacar um facto incontornavel desta sofrida regiao.
Na minha opiniao nao e o progresso que ameaca Vila Alva, mas o Tempo que vai fazendo esta e outras vilas do Alentejo parte da memoria...ninguem quer ser parte da memoria, quer-se sim sempre fazer parte do Presente, no Alentejo..

E bom ver tambem que ha quem queria nao deixar morrer estas vilas, exemplo disso, sao pessoas que fartas de uma vida citadiana, compram uma casa em Vila Alva ou numa outra vila Alentejana.. o Alentejo tornou-se chick, mas nem por isso deixara de ser menos Alentejano.
Vila Alva e para mim a mais bela vila Alentejana, nao so pela sua importancia para mim mas tambem porque ela ainda tem um tesouro que muitos querem ver e conhecer: o Espirito Alentejano.



nota- para saber mais tecle no titulo.

Sunday, April 16, 2006

Instantes de Vancouver

Vancouver e uma cidade cheia de luz, vida e alegria, nas suas ruas ha sempre movimento e ha sempre algo para ser visto, conhecido ou admirado. Nao importa onde se va em Vancouver, a beleza ou a historia espreita em qualquer esquina. E nessas mesmas esquinas, o futuro da sinal em artistas que vendem as obras, tecnologias que chegam ao mercado a a mais recente invencao gastronomica num restaurante da baixa.


Tudo e movimento e luz em Vancouver. Ha restaurantes com varios tipos de comida, ouvem-sem nas ruas linguas de varios paises e neste fabuloso caos organizado que Vancouver cresce e se define. E uma cidade que contem o Mundo e varios mundos em si, e embora tenha estes mundos todos em si nao e nenhum deles devido a ser 100% igual a si mesma, nao imitando nada nem ninguem. Vancouver e uma cidade que estimula a Artes, Cultura e Culturas...


Vancouver, com Lisboa, nao e uma cidade para ser lida atravez de leituras ou fotografias, mas sim deve assima de tudo ser vista e sentida. Vancouver e como os canadinanos, descontraida mas profisional quando nessecario, progressista mas sem esquecer a Historia recente ou longincua, rebelde mas com uma forte base ortodoxa (puritana).


A quem chame a Vancouver a California canadiana, e embora eu nunca tivesse estado em teras californianas percebe-se bem o que se diz, pois ha no ar uma energia que faz esta cidade um lugar unico no mundo. Aqui ficam algumas fotos que tenho vindo a tirar de Vancouver ate ao momento, elas nao pretendem ser a sinteze do que existe ou do que Vancouver e, nao.


Estas fotos pretendem sim despertar a curiosidade e o interese para umas das mais belas e agradeveis cidades do mundo...infelizmente nao mostrarei drogados, pobreza ou gangs, mas e bom sempre relembrar tais realidades que nao veem em postais turisticos, sao bem reais em Vancouver.
Vista do Stanley Parque
Relogio a vapor da Gastown (zona mais antiga de Vancouver)
Estatua na Marine Drive
Jardim
Baixa de Vancouver
Biblioteca de Vancouver
Gastown
********** *********

Wednesday, April 05, 2006

Em busca do "paraiso".....perdido

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o Homem, muda-se a confianca, retumando sempre novas qualidades" diz-se, mas o quando se emigra e se evolui num novo pais, este poema ganha uma nova dimencao e complexidade. A historia da-se desta forma...os avos fogem do pais para poderem ter uma vida melhor no estrangeiro, por razoes politicas, como uma ditadura a cair de velha, ou economicas..tal como a pobreza resultado dessa mesma ditadura, e de uma longa historia de um pais que, sempre aceitou a sua "pobraza" e sempre andou a arrasto das elites e de interesses, que sempre venderam aos pobres, ilusoes de melhores dias .


Estes mesmos avos ao sairem de Portugal trazem consigo um portuges, falado e escrito, com sabor das durezas do campo, dos longos dias a trabalhar "como animais"...mas melhores dias o futuro parece prometer, ele promete, sera que ira cumprir? Ao chegar ao estrangeiro, os avos apercebem-se que a sua pobreza leva os a fazer trabalhos parecidos ao que faziam, mas pelo menos estao livres de ditaduras...mas o trabalho duro continua, "E a dita dura".
O avo vai trabalhar para os caminhos de ferro, com sete palmos de neve em seu redor e ha neste ambiente algo de deja vu, nesta dor aqui tao longe, existe algo que faz lembrar Portugal. A avo por sua vez, , limpa casas de banho e procura um segundo emprego que lhe foge sempre das maos. Pouco a pouco e e depois de muitas e longas horas de "sangue, suor e lagrimas"...surge um pequeno resultado, passados quase quatro a seis anos, compram a primeira casa, que de facto e na cave..mas pelo menos tem algo a que podem chamar casa.

Esse grande nucluo do que a ser portugues e sempre uma vitoria e uma honra quando se conquista...o centro "do mundo no espirito portugues".
Um dia o avo decide com uns compatriotas formar uma cooperativa e fazer um cafe portugues, esta idea faz com uma parte da comunidade se reuna ali para falar de Portugal e da dureza de aprender uma noval lingua, novos costumes...tudo e novo, mesmo passadas decadas, mas o que nao e novo e a nostalgia que vibra nos coracoes portugueses, mas que nostalgia podera ser esta? de Salazar? nao, da exploracao?...esta nostalgia e como um Don Sebastiao, incognito e cheio de tormentoso romantismo.
A avo, passado algum tempo ira ser criar um rancho falclorico, mas antes trabalha como empregada numa loja de italianos.

E aos domingos la iam a Igreja adorar o Deus concelador e amigo. Passado alguns anos nasce Jose, que por influencia familiar ira falar portugues, ler portugues e conhecer varias culturas sem sair da mesma cidade. Jorge no entao ira beneficiar da cultura canadiana, tendo uma maneira de ser a americana e sendo a sua maneira de sentir pensar totalmente portuguesa.
Jose vai escola portuguesa e saboreia atraves de sua mae pratos e comida portuguesa..mas ha algo de emocionante no seu espirito sempre que ouve fado, ou o cantar da sua regiao, algo que nao consegue defenir. Ao contrario dos pais, Jose nao e muito de religiao pois ele sente que Portugal nao se define por adoracoes a um Deus silencioso.

Ir a Portugal para Jose e como entrar num mundo fantastico cheio de historia e romantismo, ele sabe as historias de dor e pobreza, mas o romantismo com que ve portugal faz lhe esquecer tempos menos alegres do passado. Por causa do fado aprndera a tocar guitarra portuguesa, mas nunca se profisionalizara..sempre que toca viaja, Jose ama Portugal, para ele nao ha miseria, pobreza ou drogas..tudo de magnifico. Por influencia paterna sera concervador, mas no canada sempre sera um liberal e progressista..para Jose, os cocnervadores sao os unicos que podem fazer Portugal andar para a frente no Canada, saos os concervadores que ele menos deseja no poder.


Anos mais tarde depois de namorar quase todas as nacionalidades conhecidas, se casara com Sorahia, bela mulher de descendencia arabe de sexta geracao. Curiosamente ela sempre tera um fascinio por Portugal e aprendera a falar tao bem portugues de fazer inveja a alguem que aprenda uma lingua por educao familiar. Jose lhe ensinara a cozinhar comida portuguesa e a apreciar fado e tudo que e portugues enquanto o ser arabe nela se vergara a influencia lusitana.
Anos mais tarde Jose sera mecanico e eletrecista, talvez por influencia familiar trablahar com as maos sempre foi algo que Jose sempre gostou.
Anos mais tarde, nasceu Anthony e Sarah que embora tenlham sido amparados pela cultura de pai e mai, foi a cultura portuguesa que atraiu mais...enquanto a arabe so era lembrada em terrorificos ataques a cultura ocidental. Anthony nasceu gay, e por iso ir a Portugal e hoje em dia algo que se sente um pouco desconfortavel, ele adora a familia, mas nao suporta a homofobia que corre nas veias da moral portugesa. Ele Aprendeu algumas palavras portuguesas e ate sabe o hino nacional, mas de resto a sua curiosidade esta limitada a forma como e visto e descriminado de forma vergunhosa em Portugal.
Sarah por sua vez, adora Portugal e gosta de saber cada vez mais de Portugal..varias vezes visitou e namorou jovens portugueses. E aquilo que o pai dizia de Portugal ser muito bonito e cheio de beleza...ele concorda, mas nao nega que os fulhetos turisticos escondem os Casais ventosos e as pequenas culturas que recebem salarios de miseria..sim e uma miseria os fulhetos turisticos nao mostrarem Todo o Portugal. Aos 23 ela casa-se com um portugues e tera filhos de Gabriel, nascido na grande Lisboa...mas nao durara sempre, e retornara para o Canada. Mas ela sabe que ha historias felizes de amores entre mares e oceanos, ha paraisos que ainda nao forma perdidos..
E assim e a cronologia da forma de ser e estar em relacao a Portugal ao longo do tempo, muito mudou..tudo muda, mas s permanece o saudade de Portugal, que vai mudando com as geracoes e emocoes a cada avanco cronologico...avanco este imparavel e imprevisivel...