UM PORTUGUES EM VANCOUVER

Chamo me Tiago Ribeiro, e desde a 9 anos que imigrei para o Canada, mais precisamente, para uma das mais belas cidades do mundo de seu nome VANCOUVER.Aqui irei mostrar e reflectir, sobre esta bela cidade, Cultura e Culturas, a experiencia da imigracao, reflexoes pessoais e sobre Portugal e Canada, entre outros temas e questoes desta VIDA de Imigrante e do MUNDO que me rodeia.. ....VIVE SE ESCREVENDO E ESCREVE SE PARA VIVER...

Saturday, August 27, 2011

Eulogia de Stephen Lewis

Falei em baixo da magnifica carta que o falecido Jack Layton  http://www.ndp.ca/jacklayton escreveu ao canadianos, tornan o triste facto da sua morte e a importancia do seu legado politico e social algo de grande relevancia na politica e sociedade comtemporanea do Canada.

No entanto houve no seu funeral algo que achei magnifico feito por outra grande individualidade canadiana, no seu descurso, que tao bem revela a alma canadiana. O seu nome e Stephen Lewis http://www.stephenlewisfoundation.org/  e sugiro aos curiosos uma pesquiza sobre este nome pois este homem e a familia Lewis e uma familia rica em ideais humanistas e sociais, que vao alem das fronsteiras canadianas; sem duvida um grande homem honrando a vida, os ideiais e a personalidade de outro grande homem, um discurso para eternidade/ posteridade!!





"My friends, love is better than anger. Hope is better than fear. Optimism is better than despair. So let us be loving, hopeful and optimistic. And we'll change the world. All my very best"

Jack Layton


Wednesday, August 24, 2011

Jill Barber "Chances"

Jill Barber http://www.jillbarber.com/ e natural de Vancouver, com uma voz que faz lembrar os anos 20 e cantores e musicas mais nostalgicas, uma musica que embora pareca antigo e bem moderna. Espero que gostem.



Tuesday, August 23, 2011

A carta de Jack Layton

Lideres sao na grande parte das vezes espelhos dos grupos que os representam, simbolos de coragem, determinacao, idealismo, transformacao e tudo o resto que faz com que nos unamos por causas e ideias sempre na buca de algo, possivelmente, melhor. Os lideres sao nao so o reflexo de uma nacao, partido, grupo, mas ate por vezes uma extencao de uma forma de ver e estar num pais, numa regiao ou em que organizacao for um desses lideres foi o carismatico Jack Layton.

Bem sei que para quem nao vive no Canada o nome nao diz nada, mas irei resumir Jack Layton para entenderem o porque de querer partilhar com quem me le a ultima carta que ele escreveu antes de falecer a alguns dias de uma ja longa luta com o cancro.

Jack Layton http://www.ndp.ca/ torou se recentemente e depois de uma grande luta politica nas ultimas elicoes a oposicao oficial ao governo concervador que hoje governa o Canada, tendo ganho a maioria pela unica vez na historia do partido e muito disso se deve a este homem. Mas a sua importancia vai alem do politico e extende se tambem ao social e historico, foi devido a este que foi feito um pedido de desculpas aos indios do canada pela forma como forma como estes foram tratados nas escolas pelos grupos relgiosos que o dominavam.

Sendo tambem um feros idealista pela luta por um Canada mais igualitario e justo. Mas se as palavras de uma pessoa sao um  reflexo da cultura, das ideias e do pais onde ela vive, aqui vos deixo a ultima carta que Jack Layton escreveu aos Canadianos e que o cancro robou a este pais em constante potencia e potencial, chamado Canada.

("")

August 20, 2011


Toronto, Ontario


Dear Friends,


Tens of thousands of Canadians have written to me in recent weeks to wish me well. I want to thank each and every one of you for your thoughtful, inspiring and often beautiful notes, cards and gifts. Your spirit and love have lit up my home, my spirit, and my determination.

Unfortunately my treatment has not worked out as I hoped. So I am giving this letter to my partner Olivia to share with you in the circumstance in which I cannot continue.

I recommend that Hull-Aylmer MP Nycole Turmel continue her work as our interim leader until a permanent successor is elected.

I recommend the party hold a leadership vote as early as possible in the New Year, on approximately the same timelines as in 2003, so that our new leader has ample time to reconsolidate our team, renew our party and our program, and move forward towards the next election.

A few additional thoughts:

To other Canadians who are on journeys to defeat cancer and to live their lives, I say this: please don’t be discouraged that my own journey hasn’t gone as well as I had hoped. You must not lose your own hope. Treatments and therapies have never been better in the face of this disease. You have every reason to be optimistic, determined, and focused on the future. My only other advice is to cherish every moment with those you love at every stage of your journey, as I have done this summer.

To the members of my party: we’ve done remarkable things together in the past eight years. It has been a privilege to lead the New Democratic Party and I am most grateful for your confidence, your support, and the endless hours of volunteer commitment you have devoted to our cause. There will be those who will try to persuade you to give up our cause. But that cause is much bigger than any one leader. Answer them by recommitting with energy and determination to our work. Remember our proud history of social justice, universal health care, public pensions and making sure no one is left behind. Let’s continue to move forward. Let’s demonstrate in everything we do in the four years before us that we are ready to serve our beloved Canada as its next government.

To the members of our parliamentary caucus: I have been privileged to work with each and every one of you. Our caucus meetings were always the highlight of my week. It has been my role to ask a great deal from you. And now I am going to do so again. Canadians will be closely watching you in the months to come. Colleagues, I know you will make the tens of thousands of members of our party proud of you by demonstrating the same seamless teamwork and solidarity that has earned us the confidence of millions of Canadians in the recent election.

To my fellow Quebecers: On May 2nd, you made an historic decision. You decided that the way to replace Canada’s Conservative federal government with something better was by working together in partnership with progressive-minded Canadians across the country. You made the right decision then; it is still the right decision today; and it will be the right decision right through to the next election, when we will succeed, together. You have elected a superb team of New Democrats to Parliament. They are going to be doing remarkable things in the years to come to make this country better for us all.

To young Canadians: All my life I have worked to make things better. Hope and optimism have defined my political career, and I continue to be hopeful and optimistic about Canada. Young people have been a great source of inspiration for me. I have met and talked with so many of you about your dreams, your frustrations, and your ideas for change. More and more, you are engaging in politics because you want to change things for the better. Many of you have placed your trust in our party. As my time in political life draws to a close I want to share with you my belief in your power to change this country and this world. There are great challenges before you, from the overwhelming nature of climate change to the unfairness of an economy that excludes so many from our collective wealth, and the changes necessary to build a more inclusive and generous Canada. I believe in you. Your energy, your vision, your passion for justice are exactly what this country needs today. You need to be at the heart of our economy, our political life, and our plans for the present and the future.

And finally, to all Canadians: Canada is a great country, one of the hopes of the world. We can be a better one – a country of greater equality, justice, and opportunity. We can build a prosperous economy and a society that shares its benefits more fairly. We can look after our seniors. We can offer better futures for our children. We can do our part to save the world’s environment. We can restore our good name in the world. We can do all of these things because we finally have a party system at the national level where there are real choices; where your vote matters; where working for change can actually bring about change. In the months and years to come, New Democrats will put a compelling new alternative to you. My colleagues in our party are an impressive, committed team. Give them a careful hearing; consider the alternatives; and consider that we can be a better, fairer, more equal country by working together. Don’t let them tell you it can’t be done.

My friends, love is better than anger. Hope is better than fear. Optimism is better than despair. So let us be loving, hopeful and optimistic. And we’ll change the world.


All my very best,



Jack Layton                                                                                                                               (""""")

Monday, August 22, 2011

Canada ao Espelho

A funcao dos intelectuais e artistas da nossa e qualquer sociedade, e igual as dos xamans dos tempos mais tribais da antiguidade, entre essas se contam dar a conhecer a forma de ser e estar de uma nacao,tanto no seu passado, presente e futuro. Cabe tambem a estesa funcao de analizar a nacao e a sociedade em que vivemos atravez de ideias que por vezes chocam, ofendem ou simplesmente levam do pensamento a accao.

E quando melhor e o artista/ intelectual, quanto mais honesto, claro e directo, nao que ser subtil nao tenha as suas vantagens, mais nos nos vemos a nos mesmos nas profundidade do que nos mostra. Um desses intelectuais aqui no Canada em relacao ao qual tenho grande admiracao e respeito e o muito interesante John Ralston Saul http://www.johnralstonsaul.com/eng/index.php sendo um firme escritor que luta pela liberdade de expressao, tendo ja sido premidado pelos seus ensaios e livros.

Sendo tambem cohecido pela sua triologia de livros "Voltaire's Bastards: The Dictatorship of Reason in the West", "The Doubter's Companion: A Dictionary of Aggressive Common Sense" e "The Unconscious Civilization". John Ralston Saul e tambem o editor geral de uma collecao de biografias dos "Extraiordinary Canadinas" que nos da a conhecer as vidas de individos que se destacaram na Historia, Sociedade e Cultura Canadiana.

Um livro que li sugerido pelo meu pai foi o muito interesante "Fair Nation" neste John Ralston Saul mostra nos uma visao do Canada inesperada, dando foco a importancia social e politica das primeiras nacoes (indios), fala tambem das elities que ele define como anti intelectuais e  pouco definidas na sua visao do Canada. "Fair Nation" e um livro denso em ideias, factos, analizes e perspectivas sobre o Canada e por essa razao o gostava de o sugerir a quem estiver curioso em conhecer a alma canadiana atravez de uma das suas grandes mentes.

Este livro tem a meu ver a capcidade de deixar ao leitor a possibilidade de o discutir, porque nos mostra um Canada algo diferente socialmente, culturalmente e historicamente diferente daquele que esta na mente do mundo e nos mostra o como o Canada se tornou na nacao que e hoje e dos factores que a levaram a esse ponto, e sem nunca esquecer, John Ralston Saul  nao esquece, os momentos mais negros deste jovem pais.

Nem sempre o que vemos de nos como indvidos ou nacoes, pode ser algo que nos faca ficar orgulhosos do que vemos, mas e para isso que os espelhos cervem, para nos vermos como somos verdadeiramente, da arte a literatura, esses espelhos nao nos devem assustar porque so depois de vermos e percebermos, e ate mesmo discutirmos, sobre o que essa arte e ideias nos mostram sobre nos mesmos, poderemos ser melhores como pessoas e pais.

Nao ha que condenar quem pensa e cria, porque sem eles, seremos sempre mais cegos, mais brutos, mais ignorantes...sao os nossos intelectuais e artistas que nos fazem mais civilizados e para quem sobre usar e explorar essa riqueza, uma melhor sociedade e pais.







Thursday, August 18, 2011

Fado Tradicional: Mariza

Mariza e na minha opiniao umas grandes vozes nao so do fado portugues, mas da musica mundial de caracter nacional, como e nosso fado. Tendo a acomapanhado desde o inicio, desde os tempos do "fado curvo" ao "fado em mim" seus primeiros discos, foi com "transparente" e "terra" que Mariza abrio o fado alem fronteiras e dentro de si mesmo.

E e pela facto de Mariza concequir expandir o fado sem nunca deixar de ser fado que me atrai a ela, e se quando falo de fado a quem nao o conhece aqui no canada, e Mariza que tenho como referencia e ponto de inicio da exploracao sobre essa grande riqueza que e o fado.

Mariza no canada atrai pessoas de  multiplas culturas  como sao provas os 2 concertos que assisti dela, e se isso e prova do seu poder de fadista e do nosso fado, nao sei o que sera. Mas o que acontece que os apreciadores de fado mais tradicional obviamente gostam que ela cante musicas mais dentro do tradicional, mas verdade seja dita que nada pode comparar o entusiasmo com que Mariza foi aplaudida no seu espectaculo ao dar a conhecer o album "transparente", um dos mais albums "alem fronteiras " de Mariza.

Com "fado tradicional" Mariza volta as raizes, fazendo uma doce, melodica e emocional voltar as raizes e a alma do fado familiar a todos os portugueses; mas nao pensemos que a alma do fado nos pertence, pois a sua grande riqueza e a sua capacidade de tocar todos que a ouvem...chineses, japoneses, africanos..todos sentem o que nos sentimos quando se cante o fado, logo porque sera ele so nosso?

Voltar as raizes parece ter refrescado Mariza, nao que viajar musicamente com o fado pelo mundo, cos os anteriores cd's nao tenham dado outra dimencao a voz e ao fado de Mariza, so que voltar as ruas de Lisboa e nivel mais vocal e sonoro, e aos sentimentos mais puros do fado, deu lhe a capacidade de voltar a tocar a todos nos, que nao a acompalharam na sua viagem alem mar, feita com os anteriores albums.

E sem duvida um prazer ouvir Mariza e os seus fados mais populares, sem esquecer a forma como ela da dimensao sonora as musicas mais simples e beleza cheia de alma portuguesa em cada musica, sem duvida um cd a ter por todos que a tem acompalhado ou que querem ouvir uma fado mais "portugues"  sem as "experiencias", digamos, que ela fez anteriormente.

Sem duvida o fado tem que se expandir e explorar outros territorios, e sem duvida isso fara os mais puritanos mais medrosos de ouvir o que isto dara, mas o fado sendo algo que damos ao mundo e que e conhecido e partilhado por todos que o ouvem, seja onde for, ele sempre pertenceu ao mundo, assim como a alma portuguesa.

E importante discutir o que e o fado e a alma portuguesa, porque nos tempos que correm reflectir sobre quem somos e as coisas boas que temos so nos  fara mais fortes e capases de enfrentar o futuro, logo que a dicussao comece...e nada como o fazer ao som da nossa magnifica e sempre interesante Mariza.

Wednesday, August 03, 2011

Beleza e Ilusao

A tempos correu mundo a noticia que a l'Oreal fez das fotos de celebridade como Julia Roberts mais belas do que eles realmente sao, tendo como concequecia este tipo de publicidade "enganosa" de ser mostrada ao publico na Inglaterra. Mas fantasia/ilisao e beleza e charme sempre andaram de mao dada e ninguem sabe isso melhor que as mulheres o que parece acontecer e que, na vontade das proprias mulheres serem mais bela do que a vizinha do lado, as grande cooperacoes aproveitam se desse instinto da "lei da mais bela" para venderam fantasias...  e so as compra quem quer.

Nada de ruin em cair em tentacao devido ao belo, parece me, mas as cooperacoes tambem sao de culpar por nos excitarem emocionalmente ao ponto de nos fazerem acreditar em tudo que eles nos querem vender; e claro que eles precisam de dinheiro tanto quanto nos todos, mas se nos muitas vez fizese mos o que as cooperacoes nos fazem a nos passariamos a vida em tribunal.

O belo e sempre, ou maior parte das vezes agradavel e nao tenho nada contra isso como acho que toda a gente que aprecia o belo tem, mas o belo e tambem uma das grandes fraquezas humanas, basta ver a publicidade onde mulheres e homens belos nos vedem de tudo. E assim todos nos cativados pelo poder da beleza e o prazer que ela nos promete, caimos por ela, bem sei que e dificil pensar criticamente sobre a beleza, pelo menos se tivermos um pouco de consciencia em relacao a ela e o seu efeito sobre nos algo mude.