UM PORTUGUES EM VANCOUVER

Chamo me Tiago Ribeiro, e desde a 9 anos que imigrei para o Canada, mais precisamente, para uma das mais belas cidades do mundo de seu nome VANCOUVER.Aqui irei mostrar e reflectir, sobre esta bela cidade, Cultura e Culturas, a experiencia da imigracao, reflexoes pessoais e sobre Portugal e Canada, entre outros temas e questoes desta VIDA de Imigrante e do MUNDO que me rodeia.. ....VIVE SE ESCREVENDO E ESCREVE SE PARA VIVER...

Sunday, October 13, 2013

SuperHomen, 75 anos

           Celebra se este ano pelo mundo inteiro e especialmente no Canada o SuperHomem, porque embora nao se saiba este tem uma ligacao nao so criativa mas imaginaria a este pais, por exemplo o daily planet jornal onde Clark Kent trabalha tem um aspecto muito sellhante a uma predio que ainda hoje existe em Toronto.
            Outra ligacao ao Canada e que um dos seus criadores, que foram e sao varios, visto eles se ter tornado um tal icone mundial e universal, era canadiano Jerry Siegel. Mas porque razao adultos se intersariam por um desenho de um homem em colans que consegue voar, tem raio X e lazer e que foi adaptado por uma familia numa quinta? Pois acontece que estas fantasias tem sempre muito de real nas suas entre linhas, metaforas e simbolismos, infelizmente nunca perdemos tempo soficiente para irmos para alem do obvio e directo.
            O superhomem foi um dos primeiros superherois a surgir por volta dos tempos do grande depressao e do comeco da segunda grande guerra, seus autores originais eram de origem judia que como todos os chegados a america tambem queriam um pouco do sonho americano. Logo o superhomem e tambem um imigrante que chega a terra depois da destruicao do seu planeta, e lembrado um pouco a nossa histotria mundial todos sabemos como eram mal tratados os judeus, mesmo na america, logo o facto de o super homem adaptar uma identidade humana de Clark Kent e totalmente justificavel.
          Ao longo dos anos o superhomem foi se tornando um icone mais e mais americano, por mais contradiccoes que este pobre heroi possa ter, porque nao se percebe uma coisa por exemplo, como sendo o superhomem estrangeiro no que isto tem de bom e mau, na presenca de pedacos do seu planeta Kripton, ele fica fraco em vez de forte? voltar a casa nao nos torna forte? nao renascemos com as memorias de casa?, aparentemente com o superhomem a coisa funciona ao contrario, mas quem somos nos para nos queixar?
 

          Ele nao e deste planeta, isso e outra coisa deste superheroi, constatemente somos lembrados que ele esta entre nos, mas nao nos pertence, nos adoptamos o e ele a nos, nao me parece que haja melhor exemplo ficticio da experiencia de imigracao e da relacao com o outro e o diferente que pelo exemplo do superhomem.
        Ai novamente talvez telha se que voltar a historia judia, outra perspectiva, com a destruicao do templo de Salomao e o exilio judeu pelo mundo o conceito de "casa" e "nacao" torna se algo relativo. Sendo o povo judeu muito conhecedor da sua historia nao admira que ela tenha vindo parar de forma subtil as paginas e aventuras do superhomem. Todos os superherois do presente ou do passado tem em si mil e uma dimencoes que vale sempre apena reflectir e levantar questoes a cerca deles, do pessoal ao social e historico, nao ha heroi, vilao ou anti heroi que enchem as estantes de revistas que nao sejam um reflexo, algo destorcido, de nos proprios, trasendo com eles valores, ideas, experiencias e historias que encontraram ali espaco para serem vividas e contadas...
 

0 Comments:

Post a Comment

<< Home