UM PORTUGUES EM VANCOUVER

Chamo me Tiago Ribeiro, e desde a 9 anos que imigrei para o Canada, mais precisamente, para uma das mais belas cidades do mundo de seu nome VANCOUVER.Aqui irei mostrar e reflectir, sobre esta bela cidade, Cultura e Culturas, a experiencia da imigracao, reflexoes pessoais e sobre Portugal e Canada, entre outros temas e questoes desta VIDA de Imigrante e do MUNDO que me rodeia.. ....VIVE SE ESCREVENDO E ESCREVE SE PARA VIVER...

Sunday, November 20, 2011

Entrevista ao senhor Belarmino

Ola a todos, aqui esta mais uma entrevista a mais um amigo, desta vez portugues. Senhor Belarmino e amigo da familia tendo uma ja longa experiencia de imigracao e e de grande interese o que tem para dizer sobre Portugal, Europa e o Canada. Espero que gostem.

1- Fale-me do tempo de infancia - Como se vivia no Portugal de entâo ?

Tendo nascido numa aldeia rural da Beira Interior, claro que a vivêcia de entâo assemelhava-se em muitos aspectos, quase aos tempos medievais, (nâo tanto) pois nâo havia electricidade, agua canalizada, existia um chafariz, nâo havia esgotos como é obvio, afora a Rua Principal a que chamavam Rua Direita, (apesar de ser bem torta) que era feita em pedra tosca, "calçada" havia as estrumadas feitas de mato, nas pequenas travessais, que as pessoas usavam em frente das casas, para evitar a lâma e charcos de agua no Inverno e que ao mesmo tempo depois de decomposto, servia de estrume para as terras. Havia uma estrada de maquedame, que fazia a ligaçâo entre as outras povoaçôes e a sede de concelho, neste caso a Covilhâ. Já havia na minha aldeia 3 escolas basicas, hoje apenas existe uma, com lotaçâo reduzida, por falta de crianças, pois naquela época era norma os casais terem 5 ...6 e até mais filhos. Criavam-se animais domésticos no andar do rés do châo (loja), como galinhas, coelhos, porco, cabras etc, e era ali que se alojava um jumento, ou um cavalo, animais que nem todos podiam têr. As escadas de entrada das casas tinham um capoeiro integrado nas mesmas com um pequeno buraco, para que oa galináceos podessem entrar à noite, sem que ninguem se preocupa-se com eles. Havia habitaçôes que tinham um "alçapâo" porta feita no piso da casa para poderem lançar os restos das comidas para os animais , sem necessidade de irem à rua.

E era assim que se vivia nestas pequenas povoaçôes do Portugal rural, e tantas há nestas outrora terras de "Viriato".

2 Houve grandes mudanças entre o Portugal de infancia e da juventude ?

Parte da resposta e dáda no paráragrafo anterior, mas no começo da década de 1960, surgiu o exôdo da emigraçâo para a Europa Central, nomeadamente para França e aqui sim veio mudar em grande parte a vida social e económica do Portugal do Interior, e consequentemente no resto do País. Criou-se desenvolvimento na construçâo de habitaçôes e outros valores económicos, como compra de prédios e propriedades rurais, resgataram-se individamentos crónicos com que estes novos emigrantes tinham vivido até entâo.A vida nas aldeias animou-se e as velhas habitaçôes foram dando lugar a novas, transformando a paisagem destas aldeias. Começaram a aparecer os primeiros automoveis da emigraçâo, já nâo havia na aldeia apenas 2 ou 3 mas sim dezenas deles de matricula francesa, dando uma nova aparência às aldeias e vilas do Portugal Rural. Tudo isto numa década, de 1960 /70.

3- O que o fez emigrar pela Europa ?

Eu nunca emigrei definitamente para a Europa,

Emigrava sim, todas as semanas, durante essa década de 1960 a 73, ano em que vim para o Canada. E emigrava todas as semanas, pelo facto de têr um automovel de aluguer, (taxi) e fazia o transporte de emigrantes e familias para a Europa, nomeadamente França.

Vêr link : www.lusosnadiaspora.net/ frança o salto.

4- Desses países, onde sentiu mais a alma portuguesa ?

A alma portuguesa sentia-se onde havia gente Lusa... mas o que mais me imprecionou, foi numa viagem que fiz à Alemanha, (Singen-Konstanz) em fins de 60, onde tive que passar um fim de semana devido a forte nevâo e levaram-me num sabado de manhâ a um café "espanhol" onde se reuniam os emigrantes portugueses, ( num país diferente, a proximidade da lingua e costumes, têm a sua influência) e quando entramos no estabelecimento temos logo a sensaçâo de estar entre os "Nossos". A vivacidade das conversas, o futebol , o Benfica o Sporting e os copos da cerveja, mas... o que me marcou mais, foi ao verificar que ali havia gente com acordiâo , guitarras e inevitavelmente... cantou-se o fado. Aqui emocionei-me e desejaria viver no meio desta gente, neste ambiente de saudade viva, que aida hoje recordo.

Nâo assistia a esta expontanidade cultural no seio do nosso país. De entre tantos, este foi um acontecimento que mais me marcou nas minhas viagens pela emigraçâo.

5- Tendo percorrido diversos países da Europa, qual a diferença em carácter, ou algo que os une ?

Da Europa que eu conheci nesta época, notava uma diferença substancial na forma de viviver entre a Europa do Norte e a do Sul. No Norte, devido á austeridade do clima, mais frio, o comportamento das pessoas era diferente, mais fechadas em si, ao caír da noite já nâo se via ninguem pelas ruas (em contraste com Portugal).

No Sul notava-se mais a vida nocturna, as pessoa falam e conviviam mais, as comidas eram diferentes, bebia-se mais vinho, em vez de cerveja no norte, havia as esplanadas com mais gente, era mais o costume Mediterranico.

6 - Como era a Cominidade portuguesa e a cidade de Vancouver, quando emigrou ?

A Comunidade Portuguesa nesta época (1974) era mais activa, porque havia mais novos emigrantes a chegarem todas as semanas. Na Igreja, que era o pulso da Comunidade, via-se bastante gente ligada a difertentes actividades, como Banda de musica, folclore, futebol, jantares para os mais diversos fins, cateques das crianças, mais de 400 inscritas, escola de português.etc. Havia mais estabelecimentos portugueses, mercearias, peixaria, Um farm com os nossos vegetais preferidos, agencias de seguros, real estates, padaria, 2 jornais, programa de radio e mais tarde televsâo. Tinha-mos até doutor e dentista, tudo isto na lingua Lusa. Hoje a nossa Comunidade está em declínio e assim continuará como é obvio com o desaparecimento da primeira geraçâo, na qual me incluo, os nossos filhos embora sabendo algum"português"estâo praticamente "integrados"e os nosso nétos terâo de português apenas o nome.

Isto sucedeu com outras Comunidades de origem Europea, como Alemanha, Hungria, Polónia , Ucrania etc, ficando maioritárias e predominantes as Comunidades étnicas do Oriente.

A cidade de Vancouver posso garantir era diferente, com os seus jardins residenciais mais bem tratados, com ruas mais limpas, etc.

7 - O que mais o atrai na sociedade e cultura Canadiana ?

É uma pergunta difícil na medida em que a culura canadiana nâo tem (a meu vêr) uma característica muito forte, comparada como por exemplo a portuguesa ou chinesa e devido à mistura de raças que compôem o Canada essa identificaçâo torna-se mais difícil de detectar.

8- Que pensa do Portugal de hoje, social e culturalmente, o que o fêz estar como está ?

O Portugal de hoje é certamente diferente do Portugal que deixámos, quando emigrámos hà 2 ou 3 décadas atráz. A forma de vivência, socialmenteo embora na conjuntura actual nâo seja a melhor, é certamente mais rasoável, com mecanismos sociais de ajuda que outrora nâo existiam.

Culturalmente acho que progrediu igualmente, pois as componentes sociais e culturais estâo interdependentes uma com a outra.

Portugal, (assim como outros países da Europa) correu muito depressa para um desenvolvimento social e estrutural, sem olhar para as consequências. Criou-se nas geraçôes actuais, a sensaçâo de riqueza, sem haverem condiçôes sustentaveis e isso tinha que ter um fim . O repensamento de diferente estratégia era inevitável.

9 - O que o inspirou a criar na internet Lusos na Diáspora < www.lusosnadiaspora.net >

Desde que emigrei , fins de 1973, nasceu em mim a ideia de referenciar o êxodo da emigraçâo portuguesa para França, 700.000 portugueses o fizeram, criando nos arredores de Paris a segunda cidade portuguesa, 400.000, no final da decada de 1970/80, com mais habitantes do que a cidade do Porto, assim constava nas estatísticas da época .

Como participei neste êxodo durante 12 anos, 1961/73, achei este tempo histórico para

Portugal e ao emigrar para Vancover comecei a tentar registar todos os episódios , que ainda estavam frescos na minha memória, do que foram esse 12 anos da minha vida a caminho da Europa. http://www.lusosnadiaspora.net/franceosalto.htm

Tentei arranjar apoio para ediçâo de um pequeno livro, mas com a minha residencia em Vancouver isto tornava-se difícil.

Assim optei pela internet, num site feito por mim à minha maneira. A resposta embora modesta já vai com cerca 8.000 visitantes desde 2006. É interessante que a maioria dos comentários é de gente que nâo conheço e agradavelmente positivos. Isso dá-me incentivo para manter o síte, alem de ser apenas um hobi.

10 - Para quem queira emigrar para para o Canada, como descreve Vancouver e como trata os Emigrantes, incluindo os portugueses ?

Sendo Vancouver uma cidade de emigrantes de praticamente todas as etnias do mundo, penso que será facil a qualquer emigrante manter uma conecçâo às raíses.

No caso dos portugueses, nâo é diferente, embora a nossa emigraçâo tenha estagnado à uma década para cá.

11- Sendo emigrante desde longa data, como define a experiencia da emigraçâo, tanto a nível pessoal como comunitário ?

A experiencia da emigraçâo é um factor que marca a nossa vida para sempre.

É uma mudança radical no nosso meio familiar e social, é a adaptaçâo a nova cultura , nova lingua e novos costumes. Perde-se o nosso circulo de amigos e teremos que grangear outros. Tudo isto marca um novo capítulo na nossa vida.

A nivel de Comunidáde, ela é muito importante para a grande maioria. A nâo ser que a ignorêmos e passêmos a nossa vida isolados daquilo que foi a raíz dos nossos valores sociais e culturais.

12 - Como definiria o Canada como país, para quen nâo conhece o Canada real ?

O Canada é um país potencialmente rico em productos naturais com uma ainda reduzida populaçâo par o seu tamanho e isto ajuda a proporcionar um melhor nível de vida.

Tem uma governaçâo aberta e democrática que facilita a integraçâo de qualquer pessoa que deseje começar vida aqui. No entanto teremos que vir com a intençâo de trabalhar e termos as nossa opçôes abertas, caso contrário a vida poderá tornar-se difícil.

13 - Para terminar, gostaria que partilha-se qualquer coisa que deseja-se com as pessoas que irâo lêr esta entrevista, de Portugal, Brasil e outros espalhados pelo mundo.

Há um ponto importante que gostaria de sublinhar, que é o facto de até hoje ainda nâo encontrei nenhum português que tivesse emigrado com a ideia de nâo mais voltar á origem.

Há sempre aquele objectivo em mente para alcançar e o sonho de um dia voltar ás raíses, á pátria que nos viu nascer. Eu tambem tive esse sonho... mas na realidade isso nâo acontece , nomeadamente na emigraçâo "transcontinental." E os poucos que partem, deixando para traz os rebentos, (filhos e nétos) mais tarde desejariam voltar, ou arriscam-se a passar os ultimos anos de vida, isolados e assós.

Veja link:http://www.lusosnadiaspora.net/cartaabertaaportugal.htm

Belarmino Batista -Vancouver - Nov 2011

0 Comments:

Post a Comment

<< Home