UM PORTUGUES EM VANCOUVER

Chamo me Tiago Ribeiro, e desde a 9 anos que imigrei para o Canada, mais precisamente, para uma das mais belas cidades do mundo de seu nome VANCOUVER.Aqui irei mostrar e reflectir, sobre esta bela cidade, Cultura e Culturas, a experiencia da imigracao, reflexoes pessoais e sobre Portugal e Canada, entre outros temas e questoes desta VIDA de Imigrante e do MUNDO que me rodeia.. ....VIVE SE ESCREVENDO E ESCREVE SE PARA VIVER...

Saturday, February 25, 2012

Lindi Ortega

De descencendencia  mexicana e com um som a lembrar o mitico Jonnhy Cash, o novo album da cantora Lidi Ortega http://lindiortega.ca/ tras sons que estao entre o Country, Folk e e Pop. cheios de melodia. Vivendo Toronto aqui vos deixo Lindi Ortega com o seu primeiro album "Little Red Shoes".

Friday, February 24, 2012

Escolas Residenciais

Uma pagina negra da historia india canadiana e americana foram as escolas residenciais  http://www.danielnpaul.com/IndianResidentialSchools.html que durante varias geracoes espalharam uma nuvem negra sobre a cultura india, tendo esta um efeito devastador, de alcoolismo, prostituicao, familias destrucadas, alienacao e ate mesmo suicidos na comunidade india do Canada moderno.

              Mas o que foram as escolas residenciais http://www.thecanadianencyclopedia.com/articles/residential-schools? uma forma de saber o que foram e imaginar que alguem o obrigava a falar uma lingua que nao a sua e se fizece seria punido fiscamente e psicologicamente, se alguem a juntar a isso o impedice de se vestir de acordo com a sua cultura, sem esquecer que todas as referencias religiosas, dancas, cantos, gastronomia...ou seja tudo a que se refere a sua cultura, tradicoes e conhecimento fose completamente visto como criminoso e ilegal.

A sua cultura e todoas as suas expressoes fossem totalmente apagadas e se caso as usa se seria castigado sobre a bandeira de uma outra  cultura e de um deus "superior", esta cultura foi a india ou primeiras nacoes e a cultura supostamente "superior" foi a inglesa. Recentemente, talvez a uns poucos anos foi dado o pedido de desculpas pelo que foi feito pela igreja catolica, mas no entanto os fantasmas desses tempos ainda persistem por mais boas intencoes e arrependimentos que os politcos transmitem para a populacao geral.

Foi tambem criada um grupo para que as escolas residenciais fossem dadas a conhecer ao publico em geral, porque ao que parece que a maioria da populacao nao conhece bem a verdade do que aconteceu e e preciso educar. Viver num pais multi cultural, como o Canada, nao faz infelizmente que os proprios canadianos nascidos desde a varias geracoes, neste grande pais sejam educadas sobre outras realidades, incluindo a do seu proprio pais, e falar da cultura india entre canadianos de origem existe sempre algum desconforto se nao mesmo, um grande desconhecimento da realidade.

Bom seria que os canadianos tivecem interese na enorme diversidade cultural do Canada, nao so da imigrante mas tambem da nacional, bem se pode ensinar na escola ou falar nos jornais; so que o interese e a influencia da cultura americana e tao forte e de todos os sonhos e fantasias que esta oferece, que o Passado parece ser esquecido ou nao existente.



Parece que para se ver o Passado sao presico feiras, eventos, noticias, filmes, para ele voltar existir de novo, so que numa cutura onde a net, a televisao, as revistas cor de rosa, os video jogos esta sempre a um braco de distancia e onde tudo vale pelo seu valor de entreter, o passado por mais duro, brutal e Real que tenha sido , e todas as sua consequencias presentes, esta sempre a espera de ser esquecido/ignorado e posto de parte, a um click para mudar de canal.

Aqui deixo um decumentario, dividido em varias partes que explicam os efeitos culturais traumaticos e pessoais das escolas residenciais. E sem duvida algo que da que pensar, pois nehuma civilizacao se pode achar superior a outra, forcanco a sua "superioridade" a outra que tem a mesma dignidade, importancia e valor social e cultural como tem a india http://www.afn.ca/ no continente americano.


Em Busca do Sonho (parte 1)

Sonhar custa as vezes, muito mais em tempos dificeis, onde esperanca parece ser tao cara quanto a alimentacao. No entanto sonhar ainda nao paga impostos e nem tem cotacao na bolsa, logo nao variando conforme a disposicao do mercado, mas nem por isso e uma comudidade,mas antes e algo de grande  valor e importancia.

Os tempos nao sao os melhores, no entanto a nivel pessoal e com ajuda de pais e amigos escolhi ser este o momento de procurar o trabalho que melhor se adapta a pessoa que sou em vez da pastelaria que sempre achei uma tortura mal paga, estupida e onde a ganancia e a arrogancia pessoal e rei e senhora. Bem sei que vivemos numa altura com falta de trabalho na Europa onde a austeridade europeia e portuguesa faz vitimas sociais a cada volta que a economia e o petroleo da, mas como os especialistas dizem " e na altura de crise que se tem que arriscar"

Arriscar? que mais se pode arriscar, quem nao tem emprego, renda para pagar, e uma familia, sem esquecer os mais velhos com a sua medicacao? como ha muitos exemplos em Portugal....arriscar torna se muitissimo complicado se nao mesmo impossivel. "Oportunidades fazem-se" outros tambem dizem, e talvez seja na crise a melhor altura para se tentar coisas novas, explorar outros caminhos que noutras alturas seriam esquecidos " entao esta bem, vou ali acabar comigo, ja venho", essa talvez nao seja o melhor exemplo tenho a certeza.

Eu sonho e sei que irei achar um trabalho que se ira ser "perfeito" para mim, eu sei que ele existe e que esta a espera de ser encontrado, leva algum tempo e e preciso ser honesto e claro para ser encontrado, mas ele existe. E se isto serve a nivel pessoal tambem se pode estender a nivel nacional e social, e preciso Planear, Pesquizar, Tentar e ver o que mais se adapta ao presente e ao futuro, mas assima de tudo e bom nunca ter medo de falhar, pois todo o acto falhado nao deixa de ser uma aprendisagem.

Bem sei que nao sou nehum psicologo ou sociologo e muito menos politico, nem tenho pretencao de vir a ser, no entanto sei que as coisas mudam quando pensamos sobre elas, quando tentamos ver se aquilo que pensamos tinha ou nao efeitos positivos na realidade, so custa arriscar, depois se vera o que dai vem.
Custa ser optimista quando tudo a nossa volta tudo e negativo, custa ser progressita quando a maioria e concervadora e chata, custa quando alguem tem esperanca e o resto tem medo de avancar....tudo custa, por se tentar ou nao tentar, mas algo deve sempre ser feito, ou entao estamos ja mortos e nao sabemos!!


Verdade seja dita que custa mais ser se pessimista que optimista, e por vezes se acha os optimistas idealistas, sonhadores...mas curioso, porque sao exactamente esses que fazem o mundo andar para frente, de Edison a Einstein, se estes tivecem sido pessimistas e nao deixacem te experimentar coisas novas, ainda hoje viviamos a luz das velas e o homem nao teria pisado a Lua.

Nao condenem quem sonha e luta pelo que deseja alcancar, pois alguma dia ira la chegar com coragem planeamento, determinacao,  focus, sendo isto util e verdadeiro em todas as alturas, deviamos sim era condenar os pessimistas, que sao a maioria, porque se com eles os que tentam os provam errados, sem eles, todos teriamos o potencial de ser muito melhor.

Ser pessimista nao e ser realista, nunca foi nem nunca sera, como muitos acham de forma a se acharem mais donos da "verdade" que outros, ser pessimista e a acima de tudo a incapacidade de ver a realidade; tanto verdadeira, como aquela que se quer atingir, porque o maior pessimismo de todos, nao e o condenar o optimismo dos outros, mas sim ter a incapacidade de sonhar e de Acreditar e de Lutar!!

Thursday, February 23, 2012

Cancao de Intervencao/ Indignacao

Longe vai o tempo em que se cantava contra a opressao fechada do Salazarismo portugues, em que cancoes diziam nas entre linhas na sua poesia e contestacao mensagens contra um sistema velho, fechado e cego ao Portugal real ignorante e pobre de outros tempos.

Os tempo sem duvida mudaram, muitas coisas melhoraram, veio a liberdade, o Euro, as geracoes pos 25 de Abril tornaram se mais educadas, no entanto nem tudo melhorou e nem tudo o Euro resolveu, e sem esquecer que muito piorou, o Euro nao nos troxe igual riqueza, vieram fundos para melhorar a agricultura e outros sectores.
No entanto, anos depois chegamos onde estamos hoje, com um defice enorme, com o FMI a porta, com milhares de desempregados, aumento dos precos, congelamento se nao diminuicao dos salarios que levou Portugal e a Europa para uma situacao de grande recessao que nem Sarkozy nem a dona Merkel parecem saber resolver.

Ja nao ha mais por onde curtar, mas no entanto os cortes parecem continuar e as exigencias, tambem conhecida como austeridade, e esta mesma austuridade tem hoje em dia os seus reflexos nas artes, na musica. Os Boss AC e os Deolinda sao alguns nomes que hoje cantam o mal estar geral em Portugal, o desemprego, a falta de dinheiro, universitario e a populacao geral falta de esperanca tudo cabe em 4 minutos de uma cancao, que da a sentir estes tempos austeros e dificeis.

A musica e Arte pode fazer muito, pode ser um escape, um espelho e ate mesmo a forca que leva a mudanca actual, que seria o 25 de Abril sem o "Grandula vila morena"? uma cancao que inspira e e um sinal de mudanca. Mais de 30 anos depois deste evento historico outro esta acontecer devido ao mais selvagem capitalismo e a sua ganancia e onde agencia de rating, americanas curiosamente, podem por um pais no "lixo" tendo isto concequencia dramaticas para uma nacao e o seu povo.

Talvez os tempos que estamos a viver sejam de transicao, onde o capitalismo global esta a mostrar que so o que nos pode "oferecer" e apenas liberdade, riqueza, para alguns e o dito "sonho americano" a um preco tao caro que a dignidade humana se esquece e fica em segundo plano. O mundo em que vivemos mostrara se o capitalismo e a america tere ou nao pernas para andar, e so a voz do povo nos mostra a forma como este periodo esta a ser vivido.


Sunday, February 05, 2012

Carlos do Carmo & Bernardo Sassetti - Cantigas do Maio


Saturday, February 04, 2012

"Jose e Pilar"

E talvez um dos mais belos, fotografados decumentarios feitos em relacao a um artista e a sua vida e obra, no seu lado mais privado e humano. Decumentario como arte, poesia e voz assim e o decumentario "Jose e Pilar", sem duvida um decumentario que acho que merece ser visto mais que uma vez, pela forma honesta como mostra a intimidade de um artista que muitos so conhecem pelas suas polemicas e controversos romances e fortes conviccoes.

Mas Saramago nao deixa de ser um autor importante no panorama cultural e social Europeu e portugues, mesmo depois de ter falecido a 2 anos. Neste decumentario vemos o seu processo criativo durante  a escrita de "Viagem de Elefante", a adoracao dos seus leitores e sente se tambem o absurdo da adoracao mediatica em relacao a Saramago e dos seus anonimos leitores. Esta tao bem feito, parece me que e nos permitido ver como pensa e sente Saramago em relacao a sua responsabilidade social de escritor, que nos ja sabiamos, e a criacao da Fundacao Saramago http://www.josesaramago.org/ .

E um decomentario que reflecte o privado de Saramago e Pilar del Rio e o lado mais politico e as suas viagens pelo mundo na divulgacao literaria, mas o tempo nao perdoa e e nos dado a ver um lado mais fragil de Saramago, sem nunca perder a oportunidade de "inquietar" as mentes e os espiritos. Nao e um decumentario triste devido a sentir se e presenciar se tantos momentos ricos de honesto humor e constante afecto e amor entre Pilar e Saramago.

Saramago e um escritor de importancia e valor intemporal, nao apenas devido aos seus mais modestos inicios na Azinhada, e existe ai uma licao e inspiracao para o povo portugues, mas porque pelas suas ideas e obras criou e exprimiu algo universal na condicao humana, por mais pessimista que possa parecer. Portugal nunca sobe que fazer com Saramago, nos somos um povo de concervadores habitos, sociais e pessoais, que pouco questiona e ainda menos se indigna, logo quando Saramago deu voz a sua indiganacao tanto em relacao a religiao como a politica, a unica coisa que Portugal e os portugueses fizeram, e sabem fazer bem, foi ficar chocado, nada mais.



Este escritor que nasceu entre nos, Saramago, talvez seja um "profeta" porque foram as questoes que ele levantou e quetionou que indicam o caminho para um "outro Portugal" e mesmo um "Outro Mundo". Claro que muitos ligam esta nessecidade de mudanca as suas ideas comunistas, mas a vontade de mudar e melhorar a sociedade e o Mundo e de todos, independentemente da cor politica ou devocao religiosa, e apontar o dedo as suas ideias politicas, nao passa de uma ma desculpa, parece-me, ao nosso medo de mudanca tao normal em Portugal.

Viver era para Saramago "ter estado e ja nao estar" quando a morte vem, sendo a vida aquilo que ela e, como e. Saramago era muito mais que pensamos, porque se analizarmos com atencao repararmos que ha nele uma filosofia Existencialista, do aqui e agora, da vida como algo em criacao que esta nas nossas maos  e que Deus esta totalmente ausente, e acho que alguem deviria explorar esta outra faceta de Saramago mais profetica e filosofica.

Precisamos de mais Saramagos, de mais gente que de voz ao que sente e ao que pensa e o fassa tanto na arte, ou em que area for. Mas voltanto ao decumentario, acho o sem sombra de duvida uma obra de arte pela sua profundidade, humanidade, poesia e hoestidade que mostra desde grande escritor e da sua musa, guia e amor, Pilar de Rio.

Aqui vos deixo o link para "Jose e Pilar" que pode ser visto de graca e divido em partes no YouTube.
http://www.youtube.com/watch?v=NM-I9PCv2KQ&feature=related

Friday, February 03, 2012

Problemas... Ortograficos!!

A lingua nos divide, a lingua nos une. E isso e mais claro agora com o novo acordo ortografico http://www.portaldalinguaportuguesa.org/acordo.php que ao que parece nos divide. Mas quem sou eu para falar do acordo ortografico vivendo no estrangeiro? e falando grande parte em ingles e so so portugues em casa. Logo esta questao nacionais e tambem minha para reflectir e responder.

Bem, portugues ainda e a minha lingua, como este blog mostra e a lingua mais usada neste e a lingua de Camoes, logo cabe me a mim ter uma opiniao sobre isto, e sem nunca esquecer que grande maioria de leitores do blog e portugues e brazileiro, logo nada como fazer uma reflexao sobre o acordo ortografico, o que acha leitor do acordo ortografico? sente alguma diferenca? e de que forma essa mudanca o faz sentir e pensar a sua lingua?

Uma lingua nos une, seja em Angola, Mozambique ou Brazil http://cooperacao.palop-tl.eu/default.aspx, no entanto a lingua trasida pelos portugueses foi alterada ao longo dos seculos de acordo com o pais onde ela se destacou, e como consequencia a forma de escrever e falar portugues moldou se a cada pais. Claro que isto levanta questoes, que ainda hoje se discutem entre Portugal e Brazil sobre o portugues, sobre o suporto "verdadeiro portugues".

Na minha opiniao o "portugues verdadeiro" e aquele que pertence a cada pais ou regiao dos PALOP, visto que ha diferentes sotaques e formas de expressao, sendo portugues diferente de pais para pais, logo todos falamos portugues na sua forma verdadeira. O portugues de Angola e tao verdadeiro quanto o portugues do Brazil, assim como o portugues de Portugal, da mesma forma que o ingles de inglaterra e tao ingles quanto o ingles do Canada ou da America.

Visto isto, esta questao nao deixa da linguagem e da sua suposta "puresa", nao passa na minha opinao de uma curiosa reflexao sobre a forma como o portugues e Portugal marcou linguisiticamente os paises que colonizou, e visto serem todos os "portugueses" falados no mundo, serem verdadeiros de acordo com a geografia e a historia do pais em questao....este debate nao passa, parece me de uma forma de comar a falar do nosso passado comum.



Mas voltemos ao Acordo Ortografico, na minha opiniao nao concordo com ele, porque como disse ha varios portugueses, varias tranformacoes ao portugues de Portugal, que deu origem a todos os outros "portugueses" falado nos PALOP, logo fazer com que uma lingua; neste caso o portugues de Portugal se adapte ao portugues do Brazil http://www.justbrazil.org/, que nao nego tem maior peso neste acordo, e algo que torna o portugues de Portugal mais abrazileirado.

Porque nao fazer o brazileiro mais aportuguesado na sua ortografia? ou o angulano mais portugalizado? ou mesmo, o portugues de Timor mais angolano ou cabe verdiano no seu "portugalismo"? mas nao esquecendo que o Brazil e uma nacao com crescente poder e influencia no panorama economico mundial, talvez este acordo tenha sido feito, e nao deixo de concordar, como forma nos unirmos econimicamente e culturalmente ao Brazil, digamos que a riqueza brazileira tera efeitos positivos em Portugal, logicamente.

 Mas no entanto, foi ao tornar a nossa lingua mais "brazileira" na sua ortografia que faz com que nao concorde com o Acordo pela forma como e aplicado e feito, nao me fassa concordar com ele de forma alguma. Uma lingua, tanto escrita como falada, muda como e natural no entanto forcar uma lingua a ter caracteristicas de um lingua com tanto influencia do ingles ou do espanhol como o braileiro tem, tera um efeito no portugues que estou curioso para ver qual sera.



Nao e minha intencao fazer com que quem me le concorde comigo, e essa e a riqueza da lingua que nos permite com que possamos trocar ideas embora falemos com sotaques e expressoes diferentes sem nos deixarmos de perceber. Digo que fico curioso para ver a forma como o portugues se alterara depois deste acordo e eu pergunto me se foi tambem controverso este acordo noutros paises PALOP? tera sido no Brazil ou em Angola? e se nao foi, porque nao? isso de facto me faz curiso em saber como outros paises de lingua portuguesa terao visto este acordo ortografico.

Se uma lingua nos une, atravez de varias culturas e paises ricos em historia e cultura, o debate e a reflexao deve ser feita  e acho que deveria ter sido feita antes do acordo, se nao foi. Mas o esforco de uniao cultural/econimica de todos os PALOP deve continuar, mas sem que nenhum pais sinta que perde alguma da sua riqueza em nome da falta de flexibilidade de outra, e por mais que queiramos uniao, isto nao deixa de ser injusto culturalmente.